İstanbul escort bayan sivas escort samsun escort bayan sakarya escort Muğla escort Mersin escort Escort malatya Escort konya Kocaeli Escort Kayseri Escort izmir escort bayan hatay bayan escort antep Escort bayan eskişehir escort bayan erzurum escort bayan elazığ escort diyarbakır escort escort bayan Çanakkale Bursa Escort bayan Balıkesir escort aydın Escort Antalya Escort ankara bayan escort Adana Escort bayan

More

    Lourena Cid utilizou recursos da Apex para visitar acampamento golpista

    Data:

    Durante seu mandato como chefe do escritório da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) em Miami, nos Estados Unidos, o General Mauro Cesar Lourena Cid, pai do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, foi acusado de utilizar a estrutura da Apex para apoiar movimentos golpistas e participar do acampamento bolsonarista no Quartel-General do Exército em Brasília.

    ++Lula critica proibição de candidatura opositora na Venezuela

    Imagens divulgadas pelo colunista Aguirre Talento, do portal UOL, mostram o General Lourena Cid levando Michael Rinelli, diretor de Investimentos da Apex, ao acampamento golpista no QG do Exército em 3 de dezembro de 2022. Rinelli permaneceu no cargo mesmo após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva.

    ++TRE-PR inicia julgamento de Sergio Moro por suposto abuso de poder econômico e outras acusações

    Entre junho de 2019 e janeiro de 2023, o General comandou a agência brasileira em Miami, após ser indicado pelo então presidente Jair Bolsonaro, com quem tem uma relação de longa data.

    De acordo com a reportagem do UOL, a viagem de Lourena Cid e Michael Rinelli custou cerca de R$ 9,3 mil aos cofres da Apex. Ambos viajaram de Miami para Brasília entre 26 de novembro e 11 de dezembro de 2022, sob o pretexto de participar de uma confraternização da agência.

    No entanto, durante a visita, Lourena Cid levou dois funcionários da agência para conhecer a área militar de Brasília, sem informar que visitariam o acampamento bolsonarista.

    É relevante observar que o período da viagem de Lourena Cid coincide com a época em que a chamada “minuta do golpe” foi discutida entre a cúpula do governo Bolsonaro e os comandantes das Forças Armadas, segundo investigações da Polícia Federal.

    Apesar de não estar diretamente envolvido na suposta tentativa de golpe de Estado, Lourena Cid é investigado pela PF no inquérito sobre o “caso das joias”, que apura a venda irregular de presentes sauditas entregues a Bolsonaro durante visitas oficiais e comercializadas nos EUA.

    O Metrópoles tentou entrar em contato com Michael Rinelli, mas não obteve resposta até o momento. O espaço permanece aberto para manifestações.

    Não deixe de curtir nossa página  no Facebook   e também  no Instagram  para mais  notícias  do JETSS.

    - Publicidade -

    Mais Recentes