More

    Porteiro de prédio onde Victor Meyniel foi espancado por homofobia é indiciado no Rio

    Data:

    O porteiro do prédio onde o ator Victor Meyniel foi espancado por homofobia, em Copacabana, foi indiciado por omissão de socorro. 

    ++Após ser espancado, Victor Meyniel faz pronunciamento

    Imagens registradas por uma câmera de segurança mostram o funcionário Gilmar José Agostini sentado e tomando um copo de café, enquanto Yuri de Moura Alexandre agredia a socos Meyniel.

    ++Marcus Majella expõe ex-namorado e afirma que pagava até a faculdade dele

    Segundo a delegada responsável pelo caso, Débora Rodrigues, Gilmar não a tratou bem quando chegou ao edifício.

    “Ao chegarmos ao prédio, ele já foi nos atendendo muito mal, falando que não viu nada, que não sabia de nada e que não ia se meter. Ele interfonou para o síndico, dizendo que ‘uma mulher estava lá fora’, mas não era nenhuma mulher, eram duas autoridades devidamente identificadas”, contou a delegada ao Bom Dia Rio, da TV Globo.

    Gilmar, então, foi conduzido à delegacia. “Ele viu tudo e não fez nada. Ele não precisava se meter na briga, claro, pela integridade física dele, mas ele tinha o dever de pedir socorro”, destacou Débora.

    O que disse o porteiro

    Porém, o porteiro disse à polícia que chegou a interfonar para o síndico na tentativa de obter ajuda. 

    “Ele disse que depois interfonou para o síndico, como se o síndico fosse alguma autoridade capaz de fazer alguma coisa naquele momento. Ele deveria ter saído, sim, e pedido ajuda para qualquer pessoa, a polícia, um transeunte, ou ligado para o 192. Mas ele não poderia ficar tomando café, assistindo à pessoa apanhar daquele jeito”, afirmou a delegada.

    Prisão do agressor

    Yuri de Moura Alexandre foi preso em flagrante, pouco depois da ação. Ele também está sendo acusado de falsidade ideológica por ter se identificado como um médico da aeronáutica.

    De acordo com a delegada, Yuri saiu para malhar logo após bater em Meyniel e foi preso em flagrante ao voltar da academia. “Ele já chegou dizendo: ‘Não toca em mim! Eu sou militar, sou médico militar! E bati mesmo. Assumo que bati. Qual é o problema?'”

    Ainda segundo a delegada, ele não é militar e também não é médico. “Ainda é estudante”, disse Débora.

    Relembre o caso

    O ator Victor Meyniel foi vítima de homofobia em Setembro, na portaria de um prédio em Copacabana, na zona sul do Rio.

    Segundo o advogado Ricardo Brajterman, que representa Victor Meyniel, o ator conheceu o agressor na boate Fosfobox, zona sul do Rio, horas antes.

    Os dois seguiram para a casa de Yuri de Moura Alexandre, o agressor, em Copacabana. Na manhã de sábado (2), quando ia embora, Victor foi se despedir na portaria do prédio, mas Yuri não teria gostado da “exposição” e teria tido o ataque de fúria.

    Em um vídeo, publicado pelo advogado de Victor, é possível ver o ator sendo brutalmente agredido, enquanto o porteiro do edifício fica sentado, tomando café e assistindo a cena. O episódio é considerado um crime de homofobia.

    O ator, juntamente com a mãe, Regina Meyniel, prestaram queixa na 12ª DP. Victor Meyniel passou por exames de delito no IML e foi encaminhado a uma Unidade de Pronto Atendimento para cuidar dos ferimentos.

    “Estamos adotando todas as medidas judiciais cabíveis na esfera cível e criminal. Esse crime bárbaro não passará impune. É tudo absurdo, a brutalidade do criminoso e a omissão do porteiro”, afirmou o advogado.

    Não deixe de curtir nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do JETSS.

    - Publicidade -

    Mais Recentes