Entretenimento, Cultura e Lazer

Cientistas descobrem importante ponto fraco do coronavírus; entenda

Cientistas da Northwestern University, nos Estados Unidos, descobriram um novo ponto fraco na famosa proteína S ou proteína spike, a grande molécula por meio da qual o SARS-CoV-2 reconhece as células humanas e entra nelas.

++ Cientistas dizem que Covid-19 é tão mortal quanto a pandemia de 1918

Assim, com esta descoberta, as portas para novos tipos de tratamento poderão se abrir. A forma prática como é mostrada nesta descoberta poderá significar que foi encontrado o caminho para pôr fim a esta pandemia causada pelo novo coronavírus.

Através de simulações que reproduziram a proteína em uma nanoescala (um nanômetro equivalente a um milionésimo de milímetro), os cientistas analisaram uma região com carga positiva, conhecida como sítio de clivagem polibásica. Esta zona está localizada a uma distância de 10 nanômetros do local de reconhecimento de proteínas. É aqui o ponto exato onde a molécula se liga às proteínas humanas. Assim, esta clivagem permite que a ligação entre a proteína do pico e os receptores carregados negativamente em células humanas seja forte.

Portanto, eles projetaram uma molécula negativa com a capacidade de se ligar à clivagem. Como resultado, poderá haver um bloqueio à capacidade do SARS-CoV-2 de se ligar a células humanas.

“O nosso trabalho indica que o bloqueio deste local de clivagem pode ser um tratamento profilático viável que reduz a capacidade do vírus de infetar humanos. Além disso, os nossos resultados explicam estudos experimentais que mostram que as mutações da proteína spike afetaram a transmissibilidade do vírus”, explicou Monica Olvera de la Cruz, diretora da investigação.

Este local de clivagem era indescritível até agora e, de acordo com os investigadores, foi uma surpresa descobrir a sua localização e a sua capacidade de interagir no local de ligação, pelo qual a proteína do vírus se liga ao receptor humano.

“Não esperávamos encontrar interações eletrostáticas a uma distância de 10 nanômetros. Em condições fisiológicas, este tipo de interação geralmente não ocorre a mais de um nanômetro”, revelou Baofu Qiao, primeiro autor do estudo.

Conforme explica Olvera Cruz, tudo indica que esta região adere a uma enzima chamada furina, muito abundante nos pulmões, “o que sugere que o local de clivagem é fundamental para a entrada do vírus nas células humanas”.

Com estas informações em mãos, Olvera de la Cruz e Qiao planejam trabalhar com químicos e farmacologistas para desenvolver um novo tratamento que se ligue a essa região da proteína spike, do novo coronavírus. A descoberta inaugura uma nova rota de tratamento possível e foi recentemente publicada na revista “ACS Nano“.

Não deixe de curtir nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do JETSS