Entretenimento, Cultura e Lazer

Adeus a Ruth Bader Ginsburg: Quem foi a juíza mais antiga da Suprema Corte dos EUA

A mais antiga juíza da Suprema Corte dos Estados Unidos e líder da ala liberal, Ruth Bader Ginsburg morreu nesta sexta-feira (18), aos 87 anos, por complicações de um câncer no pâncreas. Nos EUA, os 9 juízes da Suprema Corte são nomeados de forma vitalícia, ou seja, ficam no cargo até o fim da vida.

++ Barack Obama presta linda homenagem à Chadwick Boseman: “Ele era abençoado”

Ginsburg foi nomeada pelo ex-presidente democrata Bill Clinton em 1993, e se tornou a segunda mulher a integrar a Suprema Corte. Após a aposentadoria da juíza Sandra Day O’Connor, em 2006, Ginsburg se manteve como a única mulher na corte até a indicação de Sonia Sotomayor em 2009 e Elena Kagan em 2010.

Na Suprema Corte, Ginsburg tinha a reputação de ser uma dura questionadora com tendência liberal. Marcada por decisões que enfrentavam a discriminação sexual, ela foi a responsável pela admissão de mulheres, em 1996, no Instituto Militar da Virgínia.

Durante a administração do presidente Barack Obama, alguns liberais insistiram com que Ginsburg renunciasse ao cargo. Isso para que o democrata pudesse nomear seu sucessor, mas ela rejeitou o pedido.

Um dos casos mais importantes de que participou no tribunal foi o chamado Estados Unidos versus Virginia, que anulou a política de admissão apenas de homens ao Instituto Militar da Virgínia.

Ao explicar sua decisão, Ginsburg argumentou que nenhuma lei ou política deveria negar às mulheres “plena cidadania, a mesma oportunidade de aspirar, alcançar, participar e contribuir com a sociedade em função de seus talentos e habilidades individuais”.

Sua história foi retratada em livros e filmes e sua imagem aparece em camisetas e xícaras de café. Em festas de Halloween, crianças, adultos e até animais se vestem como ela.

Barack Obama usou seu Instagram para fazer uma linda homenagem a Ruth: “A juíza Ruth Bader Ginsburg lutou até o fim, através de seu câncer, com fé inabalável em nossa democracia e seus ideais. É assim que nos lembramos dela. Mas ela também deixou instruções de como queria que seu legado fosse honrado.”, escreveu.