Entretenimento, Cultura e Lazer

E completa, Mamonas Assassinas morreu por castigo divino.

"Homossexualismo é um fenômeno comportamental. Não sou fã de Daniela, [Mercury] eu sinto muito pelo que ela deve estar sofrendo, ela jamais teria sido capa de revista Veja se não fosse este momento, existe oportunismo", afirmou Marco Feliciano em entrevista ao programa Amaury Jr. que irá ao ar à meia-noite desta quarta-feira (17). As informações são da assessoria de imprensa.

Em um vídeo que está circulando pela internet, o deputado, pastor, e agora presidente da Comissão dos Direitos Humanos, Marco Feliciano explica a morte do ex-Beatle, John Lennon. O político alega que o assassinato do músico, ocorrido em 1980, foi uma espécie de castigo divino, já que, em uma ocasião, Lennon disse que sua banda era mais famosa que Jesus Cristo

Durante a pregação em seu programa de TV, Feliciano diz:
"John Lennon chegou uma dia diante das câmeras, bateu no peito e disse: 'os Beatles são mais populares do que Jesus Cristo'. Jesus não era popstar como ele, mas sim o mestre de uma grande religião.

John Lennon estava olhando pras câmeras, dizendo 'Nós Beatles somos uma nova religião'. A minha Bíblia diz que Deus não recebe esse tipo de afronta e fica impune. Eu queria estar lá no dia que descobriram o corpo dele. Ia tirar o pano de cima e dizer, 'Me perdoe, John, mas esse primeiro tiro é em nome do Pai, esse é em nome do Filho, e esse é em nome do Espírito Santo'. Ninguém afronta Deus e sobrevive para debochar".

Mas as teorias do deputado não param por aí. Sobra também para a banda Mamonas Assassinas, cujos cinco integrantes morreram em um acidente de avião em março de 1996.

Durante o mesmo culto, Feliciano afirma saber o motivo da morte dos músicos:
“1,5 milhão de cópias vendidas. Alvo: crianças. Tocou na santidade de Deus, porque as crianças são a santidade de Deus. Jesus disse que para entrar no céu tem que ser como elas. A bíblia diz: da boca das crianças sai louvor. E as crianças estavam falando o quê? Palavrões. 

Assista aqui o vídeo com a paródia de Dilma telefonando para Marco Feliciano.