Entretenimento, Cultura e Lazer

França ultrapassa mais de 50.000 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Pouco movimento nas ruas de Paris (Foto: Pascal Bernardon / Unsplash)
Pouco movimento nas ruas de Paris (Foto: Pascal Bernardon / Unsplash)

A França já totalizou mais de 4,6 milhões de infectados pelo novo coronavírus, aproximando-se de 100.000 mortes, sendo que só nesta quinta-feira (1), registrou 308 óbitos ocorridos em hospitais.

A pressão nos hospitais continua aumentando, com 28.581 doentes em todo o país, sendo 2.035 admissões nas últimas 24 horas, dos quais 5.109 estão internados em estado grave nas Unidades de Tratamentos Intensivos – UTIs.

Com estes dados nas UTIs, a terceira onda de contaminações já ultrapassou o pico da segunda ocorrida no outono de 2020, quando o país ficou em lockdown pela segunda vez.

Na quarta-feira, o Presidente Emmanuel Macron anunciou o fechamento das escolas por três a quatro semanas, antecipando as férias de primavera por um lado e, por outro, com aulas à distância desde o ensino médio ao secundário.

Além disso, os franceses poderão deslocar-se além de 10 quilômetros desde as suas casas, sem a necessidade de justificativa, e lojas não essenciais vão ser fechadas em todo o país.

No entanto, assim como em muitas outras partes do mundo, as pessoas na França se cansaram de seguir restrições para desacelerar a disseminação do coronavírus.

++ BBC anuncia um novo documentário sobre a vida de Amy Winehouse, pelos 10 anos de sua morte

A expectativa do governo é que a aceleração da campanha de vacinação permita uma melhoria da situação a partir de meados de maio, já que o país tem estado sob restrições desde outubro, com bares, restaurantes, cinemas, museus e ginásios, entre outros locais públicos, fechados desde então.

Até ao momento, 8,5 milhões de franceses receberam pelo menos uma dose da vacina e 2,8 milhões já receberam as duas doses.

Apesar de uma incidência de contaminação pelo covid-19 – um número muito maior do que na maioria dos outros países europeu, o presidente francês, Emmanuel Macron, prefere manter as restrições como estão e não impor um lockdown nacional mais rígido.

Curta nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do JETSS