Entretenimento, Cultura e Lazer

'Faltou equilíbrio emocional. A pressão é muito grande'.

Em recente entrevista que vai ao ar neste domingo, 21/07, o lutador Anderson Silva comenta com Marília Gabriela sobre a polêmica luta contra Chris Weidman, quando perdeu o cinturão e desabafa, "Aprendi bastante com essa luta. Muitas coisas estavam encobertas pela cortina do sucesso. Faltou um pouco de equilíbrio emocional e alguns princípios da arte marcial que eu preciso resgatar", disse Anderson. "Fazia 7 anos que eu defendia o título e as cobranças começaram a ficar cansativas. É uma pressão muito grande"

O ex-campeão garantiu que vai recuperar o cinturão na luta marcada para 28 de dezembro. "Vou me dedicar e trarei de volta o cinturão. É um patrimônio brasileiro e tem que ser resgatado", disse. "Na hora (em que acabou a luta) eu me senti aliviado, mas fiquei triste pelas pessoas que se dedicaram nesses meus quatro meses de treino", contou. "Um erro técnico acabou com um trabalho de quatro meses de todo mundo".

Anderson Silva enfrentou muitas críticas após a luta – ele foi acusado de arrogância e de ter subestimado o adversário e também de ter entregado a luta de propósito. "Fiquei triste com os comentários de uma possível luta arranjada", lamentou. O atleta falou ainda que faz tempo que não tira férias. "Eu tiro só três dias, quatro dias para descansar", contou."O contrato já tem os valores estabelecidos, independente de ser uma revanche ou não", disse.

Sobre sua relação com Dana White (presidente do UFC), Anderson declarou, – "Não tenho amizade com ele. Apesar da gente se gostar bastante, é uma relação profissional". E rebateu as críticas de Vitor Belfort."Partindo do Vítor, é natural. Ele busca ser campeão nessa categoria".

Ao final do programa, Anderson Silva disse que está pronto para recomeçar. "Sou como a água, estou sempre pronto para passar pelos obstáculos. Nada do que eu fiz foi para desrespeitar meu adversário, eu estava tentando induzi-lo ao erro".

A entrevista no De Frente com Gabi será exibida no domingo, 21.