Entretenimento, Cultura e Lazer

Quarentena: o uso prolongado do telefone pode desenvolver a síndrome do “Text Neck”

Durante a quarentena, as horas dedicadas ao uso de dispositivos móveis para entreter ou executar o teletrabalho se multiplicaram; no entanto, seu uso prolongado e más posturas podem fazer com que a síndrome do ‘Text Neck’ apareça. 

A síndrome consiste em uma má postura adquirida por enviar mensagens de texto pelo telefone celular ou escrever no computador por longos períodos e, posteriormente, gerar dor. 

Segundo a revista Glamour, o quiroprático Dean L. Fishman foi quem cunhou o termo para descrever a condição que é cada vez mais comum e que ocorre graças aos ombros contraídos, cabeça abaixada, jubarte e muita tensão produzida no pescoço. 

De acordo com os mesmos meios, o pescoço não pode suportar a pressão exercida pelo peso da cabeça de quatro quilogramas, enquanto está flexionada para baixo, portanto, ficar muito tempo assim terá seu preço. 

++ 4 exercícios para fazer em casa e diminuir o ‘tchauzinho’ dos braços 

Como evitar? 

Várias ideias para combater esta doença durante a quarentena são: mudar constantemente sua postura, tentar manter o computador ou o tablet na mesma altura em que seu corpo estará, para não abaixar a cabeça e fazer várias pausas. 

Da mesma forma, tente verificar o telefone celular a uma altura em que você não precise se inclinar e não exagere no número de horas que gasta usando-o. 

Você também pode tentar pequenas massagens no pescoço e nos ombros antes de dormir com um creme relaxante. 

Se, após a aplicação dessas medidas, você continuar sofrendo ou apresentar fortes dores na área, precisará entrar em tratamento com um fisioterapeuta e começar a modificar esse hábito. 

Também pode ocorrer através de outros sintomas que podem acionar seus alarmes, como dores de cabeça constantes, problemas na coluna, insuficiência respiratória, artrite precoce, desconforto gástrico e cansaço visual. 

É importante lembrar que as informações aqui passadas têm caráter informativo, e não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. 

Não deixe de curtir nossa página  no Facebook  e também no Instagram para mais notícias do JETSS.