Entretenimento, Cultura e Lazer

Raiva: Aprenda como usar o sentimento de forma positiva

A raiva é um dos mais intensos sentimentos e que toma conta de quase todo o nosso raciocínio lógico. Todos sentimos raiva, em maior ou menor escala. Esse sentimento, considerado primário e primitivo, é visto por muita gente como negativo por estar associado à atitudes agressivas. Mas essa associação é um erro: a agressão é um comportamento reativo e não significa que o sentimento da raiva tenha como resposta as atitudes agressivas. A psiquiatra Carolina Blaya, professora da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre), explica que a raiva é um sentimento ligado a reação de luta e fuga e que acontece em todas as espécies animais.

Então como lidar com a raiva? E como transformá-la em uma atitude positiva?
Se olharmos para a emoção mais de perto, sem tentar nos livrar dela logo, ela pode trazer informações importantes. “Se você está sentindo raiva é porque tem alguma situação que não te agradou”, explica Blaya. Pode demorar algum tempo até identificar o gatilho da raiva, mas ao entender essa informação, você consegue racionalizar sobre a situação e tomar uma atitude transformadora.

Aí, você pode agir de forma mais assertiva, identificando a situação ruim e avaliando se você quer continuar com aquilo ou não. “Se tenho um amigo que me trata mal, que me desconsidera e que frequentemente eu me sinta com raiva, eu decido que essa não é uma relação boa para mim, então eu posso escolher outras pessoas para o meu círculo social” exemplifica.

Ela complementa que a raiva pode ser propulsora para mudar uma situação da vida que desagrade e gere a raiva. “Eu posso também lançar mão da raiva de uma forma que eu possa me aprimorar. Eu posso me dedicar, posso estudar, mudar de emprego e assim, a situação anterior que me fazia sentir a raiva”, completa.

Não existe uma fórmula ideal para lidar com a raiva, mas listamos abaixo algumas atitudes que podem ajudar a torná-la positiva e benéfica em nosso dia a dia:

– Raiva e agressividade não são sinônimos: essa é a primeira etapa: distinguir aquilo que você sente com aquilo que você faz. A partir do momento que você deixa de ser refém da raiva, sem ser agressivo, você pode passar a pensar em como é possível se defender em uma situação de ameaça sem reagir agressivamente;

– Busque dar um tempo: o ideal é não reagir imediatamente a raiva. Agir impulsivamente sob o efeito desse sentimento pode trazer arrependimentos futuros. Ter isso em mente pode ajudar a parar e pensar na melhor atitude a tomar, frente a uma situação que provoca a raiva;

– Comunique o sentimento: ao comunicar o que te faz ou fez sentir raiva o seu corpo cria um canal de conexão e equilíbrio onde essa emoção cumpre o propósito adaptativo que é informar ao outro que está sendo agredido, e ela passa.