Entretenimento, Cultura e Lazer

Com live marcada, Marcelo Falcão fala de pandemia

Marcelo Falcão iniciou uma carreira solo há algum tempo e no meio desta trajetória veio a pandemia do novo coronavírus, o covid-19. Sem parar, ele já anunciou mais uma live para o próximo domingo (19), direto da Fundição Progresso, no Rio de Janeiro. Mesmo fora do Rappa, é a chance de fãs conferirem uma das vozes mais marcantes das últimas duas décadas. Em entrevista ao jornalista Léo Dias, ele falou do momento que a sociedade vive.

++ Marcelo Falcão fala de disco solo e Rappa

“Acredito que a gente vá viver essa história de se cuidar cada vez mais, né? Que as pessoas deem mais valor, procurem mais saber do outro. Do talento do outro, não das derrotas. Porque todo mundo tem derrota nessa vida, todo ser humano falha. Que procurem as qualidades do próximo, que a gente possa se ajudar. A ideia era essa, né?! Que a quarentena fizesse todo mundo ter uma união coletiva pelo bem comum que é a saúde. Então, acredito que as pessoas passem a ter uma visão ampla de como é se cuidar e cuidar do outro. Que ela passe a pensar no próximo e não só nela. É isso que a gente está tentando. Eu já sou assim, já tento me cuidar o máximo possível, sempre penso no próximo. Não tenho esse egoísmo de pensar em mim primeiro. Para que as coisas ao meu redor fiquem mais leves, melhores. E que o próximo se sinta com uma pessoa no lado que ele confie, que ele acredite. O que vai mudar em mim é que sempre vou dar um toque nas pessoas para que elas se cuidarem cada vez mais. Que elas se preocupem cada vez mais com o próximo, com a sua família, com o seu vizinho. Vamos nessa que a gente é muito mais forte do que qualquer vírus, qualquer pandemia, qualquer coisa que surja. Papai do céu deu esse dom para gente de estar vivo e temos que cuidar da nossa saúde, cuidar do próximo e nos cuidar sempre”, analisou o vocalista.

A live do próximo domingo vai contar com uma participação especial. Filipe Ret também estará na apresentação, que será veiculada pelo canal no Youtube do cantor.

“Eu amo fazer show, né, cara? Através do show, eu consigo fazer a felicidade não só dos fãs como da minha equipe técnica. As pessoas se sentem vivas trabalhando. E a felicidade dos meus pais, que me apoiaram sempre, me apoiam nessa história. Mas, junto com a saudade de fazer show, primeiro vem a saudade de abraçar os pais, a família, as pessoas. Minha maior saudade é essa. Sou um cara muito mais de contato, abraçar, beijar. Brincar com as pessoas. O que eu mais sinto falta mesmo é de um grande abraço, gigantesco. Um abraço que seja o maior abraço do mundo e voltar a fazer show”, revelou.

Não deixe de curtir nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do JETSS