Entretenimento, Cultura e Lazer

Drica Moraes se emociona ao relembrar seu doador de medula: “Salvou minha vida”

Em entrevista ao Conversa com Bial da última terça-feira (20), Drica Moraes se emocionou ao contar como conheceu Adilson, seu doador de medula óssea.

A famosa foi diagnosticada com leucemia no início de 2010 e enfrentou um difícil tratamento. Drica relembrou na entrevista a luta contra o câncer e revelou que precisou ficar totalmente isolada durante a quimioterapia. 

++ Famosos que precisaram interromper a carreira por doenças

Com um filho de apenas 1 ano de idade na época, recordou que a medula era a única esperança, porém nenhum de seus seis irmãos eram compatíveis. Sua vida foi salva após um transplante com a doação de um doador anônimo compatível.

No entanto, a atriz só foi autorizada a conhecer seu doador apenas 5 anos após o procedimento, após ambos assinarem cartas de intenção. Na entrevista, Drica relembrou a primeira vez que conversou por telefone com Adilson.

“Não tinha roteirista para escrever essa história. Eu não sabia o que dizer. Ele falou: ‘Você tá bem, filha?’ E eu respondi: ‘Eu estou bem. E você salvou a minha vida. Qual o seu nome?'”, contou.

Após o primeiro contato, ela viajou até a cidade de Presidente Prudente, no interior paulista, para conhecer pessoalmente o homem que salvou sua vida. 

Em 23 de junho deste ano, a atriz compartilhou uma foto com o eletricista e celebrou os 10 anos em que renasceu: “Há exatos 10 anos este homem me salvou a vida'”.

“Em 23 de junho de 2010 eu estava na corda bamba e graças à sua doação de medula estou aqui hoje. Obrigada Adilson!”, agradeceu Drica. Confira a publicação:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Há exatos 10 anos este homem me salvou a vida. Em 23 de junho de 2010 eu estava na corda bamba e graças à sua doação de medula estou aqui hoje. Obrigada Adilson! @adilsonr123, te devo minha vida, irmão. Pudemos nos conhecer somente 5 anos após o procedimento. Não sabíamos quem éramos antes deste encontro. Hoje nos falamos quase que diariamente. Estou toda arrepiada. Obrigada também à meus médicos @nelsonhamer e Wolmar Pulcceri, sem vocês… nada…Há 10 anos vivi durante um ano em isolamento total sem ver o dia, sem poder tocar nem ser tocada, de máscara, catéter, tudo o que nos afasta da vida, do toque , da troca com o outro. Dores, angústias e incertezas. Hoje vejo a humanidade num isolamento muito parecido. Coisa louca. Toda arrepiada. Que bom que passou. Mas custou muito caro. Agora também vai passar. Paciência e fé. Existe afeto e inteligência para além dessa gentalha do mal que insiste em destruir tudo de bom que há em volta. Esses vírus e anomalias irão passar. E nós sempre estaremos na luta.

Uma publicação compartilhada por Drica Moraes (@oficialdricamoraes) em

 

Não deixe de curtir nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do JETSS