More

    BBB 22: Com medo de favoritismo de Natália, brothers planejam ‘revolução’

    Data:

    O nome de Natália Deodato foi o destaque da madrugada desta terça-feira (15) no BBB 22. Após atacarem a modelo no Jogo da Discórdia, alguns participantes levantaram a possibilidade de os fãs do reality estarem comprando a briga da confinada. “O meu medo é do olhar do público, de a gente estar massacrando ela”, refletiu Linn da Quebrada. 

    Na dinâmica de segunda-feira (14), Natália foi acusada por diversos adversários e levou vários baldes com água na cabeça. Linn e Jessilane Alves, apesar de serem amigas da designer de unhas, fizeram questão de criticá-la em alguns momentos da atividade. 

    Após o término da dinâmica, Linn se reuniu com os integrantes do quarto lollipop para propor um momento de paz para a modelo, que já está em seu terceiro paredão. “Eu acho que a Natália não sai. Eu acho que, talvez, esse movimento, o meu medo do olhar do público, de a gente estar massacrando ela”, analisou a cantora. 

    “A gente tem que começar a mudar isso”, opinou Larissa Tomásia. “Total. É isso que eu estou fazendo. Hoje, eu falei ‘não’ para quase todas as plaquinhas dela. Eu só falei ‘sim’ em duas. Depois, eu disse para ela o motivo, porque, se eu não fizesse, eu seria incoerente por fazer isso por essa questão”, explicou Bárbara Heck. 

    ++ Marcius Melhem atacou atriz da Globo de toalha e parte íntima ereta, diz revista

    Durante o papo no quarto, também estavam presentes outros participantes como Maria, Eliezer Netto, Vinicius Fernandes, Brunna Gonçalves e Eslovênia Marques. Eslô, inclusive, questionou Linn sobre como agir com Natália para que os ataques à sister parem. 

    “Tem que tirar mais o foco dela. Eu acho que todos da casa deviam escutá-la”, continuou Larissa. “Não adianta escutar, e não sair do lugar, se a gente quer que a Naty saia do lugar, a gente também tem que sair do nosso lugar”, comentou Linn. 

    Eliezer, então, concordou com a ideia da cantora e avaliou os impactos de tirar Natália da mira: “É uma mudança de jogo também”. 

    “Ela precisa se sentir em um território minimamente confortável para que ela não reaja de maneira raivosa. Eu não poderia ter reagido de maneira raivosa às tantas vezes que vocês erraram o meu pronome aqui na casa?”, analisou Linn. “O que está acontecendo é o inverso com ela”, continuou Eli. 

    Não deixe de curtir nossa página   no  Facebook  e também  no  Instagram  para mais  notícias  do JETSS. 

    Mais Recentes